JOSÉ ANTONIO DA SILVA

1909 – Salles de Oliveira, SP
1996 – São Paulo, SP
Pintor, cantor, escultor, escritor, cenógrafo.
No início da década de 40 mudou-se para São José do Rio Preto. Em 1948, realizou sua primeira individual na Galeria Domus em São Paulo, onde foi acolhido pela alta sociedade Paulista e aclamado pela crítica como a descoberta de um grande artista brasileiro, “com um extraordinário senso da cor e uma intuitiva noção dos segredos essenciais que a composição exige”.  Foi selecionado para participar da Bienal de São Paulo de 1951, 1953, 1955, 1961, 1963, 1965, 1967 e 1987.
Sem contar a sua participação da Bienal de Havana em 1954 e de Veneza em 1966. Considerado o pintor naif brasileiro de maior repercussão, Silva realizou inúmeras exposições entre as quais podemos lembrar uma grande exposição retrospectiva no MAC de São Paulo em 1989, a exposição individual realizada no Paço das Artes, em São Paulo, em 1992 que foi divulgada com a produção de um cartaz que reproduziu um quadro dele mostrando os Três Maiores Pintores do Mundo, com ele no meio em tamanho um pouco maior cercado por Picasso e Van Gogh. Outro evento marcante, mas póstumo, foi a grande exposição retrospectiva na Pinacoteca do Estado de São Paulo com direito a catálogo raisonné em CD e um livro belíssimo sobre sua vida e sua arte, dois anos depois do seu falecimento. “Um artista incomum, lidando com a temática do sertão e a linguagem viva das cores, dentro de uma técnica muitas vezes brutal e gestual, mas sempre sensível e altamente eloquente”, escreveu o crítico Luiz Ernesto Kawall.

 

 



Painter, singer, sculptor, writer, and scenographer. In the early 1940s, José Antonio moved to São José do Rio Preto. In 1948, he held his first solo exhibition at Galeria Domus in São Paulo, where he was enthusiastically received by the high society of São Paulo and acclaimed by the critics as a true discovery, as an artist “with an extraordinary sense of colour and intuitive knowledge of the essential secrets of composition”. He was selected to participate in the Bienal de São Paulo of 1951, 1953, 1955, 1961, 1963, 1965, 1967 and 1987, and the Bienal de la Havana in 1954 and the Biennale di Venezia in 1966. Considered the Brazilian Naïve painter of greater repercussion, Silva held numerous exhibitions, including the great retrospective held at the Museu de Arte Contemporânea de São Paulo in 1989, and the solo exhibition held at the Paço das Artes, also in São Paulo, in 1992 – which was publicized with a placard that reproduced a painting by José Antonio which depicted Os Três Maiores Pintores do Mundo [the Three Greatest Painters of the World], where he is portrayed in slightly larger scale, standing in between Picasso and Van Gogh. Another remarkable event, albeit posthumous, was the great retrospective exhibition held at the Pinacoteca do Estado de São Paulo, which included a digital catalogue raisonné and a impressive publication devoted to his life and work which were produced and edited for the occasion, two years after his death. “An uncommon artist, who dealt with the living theme of the sertão [one of the four sub-regions of the northeast of Brazil, distinctive for its very dry climate and arid backlands] and the vibrant language of colours within a gestural and sometimes brutal technique which nevertheless always remained sensitive and eloquent”, wrote art critic Luiz Ernesto Kawall.